Política

APARECIDA: Valdemir Oliveira diz que Júlio César não irá mais confundir a cabeça da população; VEJA.

Já é fato notório que a política do município de Aparecida precisa ser constantemente avaliada com sinceridade, clareza, e, sobretudo, por quem almeja ares novos e promissores, para uma população hoje estimada em 8.347 pessoas, dados do último censo do IBGE [2019]. Diante desse quadro populacional, cresce também o anseio por uma cidade mais evoluída.

Os rumos da política aparecidense estão a cada dia sendo observados pelos meios de imprensa regional. Com um município passando por uma transição de governabilidade, onde de um lado tem o prefeito Júlio César Queiroga de Araújo, condenado pelo Superior Tribunal Federal (STF) por improbidade administrativa, com seus direitos políticos cassados; de outro, o vice-prefeito Valdemir Teixeira de Oliveira, o qual assumiu por aproximadamente seis meses a prefeitura, e está na disputa eleitoral como pré-candidato a prefeito.

Nessa passagem administrativa, a população de Aparecida acompanhou, e teve a chance de observar ganhos, e a nítida diferença de como os dois gestores governam. Um com mais tempo no poder, e outro com pouco menos, realizando proezas que até então a população não tinha visto. Entre uma delas, o programa de Atendimento Médico Noturno no posto de saúde na sede do município.

Tomando conhecimento sobre a circulação de um banner, divulgado pela atual gestão nas redes sociais sobre o ressacimento salarial da Gratificação Específica de Atividade Docente – (GEAD). O ex-prefeito conversou com a redação do Noticia EM FOCO PB, e tratou sobre o caso. Tecendo algumas críticas sobre a maneira de agir do atual gestor. Em sua análise, pontuou que o prefeito Júlio César agora estava tentando intuir a figura de gestor que tem compromisso com o servidor.

Na fala, o ex-prefeito se manifestou de maneira contestatória, e repudiando a atitude do atual gestor – “Pousar de santo, bondoso, agora é fácil, só que essa tática de bom samaritano, não irá confundir a cabeça da população. Hoje ele assumiu a prefeitura com dinheiro em caixa, ao contrário quando saiu deixou os cofres vazios. Todos sabem que organizamos a folha de pagamento. Os servidores sabem quem deixou salários atrasados; os professores sabem da briga e das inúmeras vezes que tiveram que ir a justiça, e até mesmo ir às ruas pra reivindicar os seus direitos, exigindo o que lhes pertence; como foi no caso da diferença da GEAD, que vem se arrastando desde 2017. Em nosso governo, demos total abertura e dialogamos com o sindicato, professores, servidores efetivos, em momento algum coloquei empecilhos. Quando ele saiu em janeiro, já estava devendo a GEAD, estava com salários de dois meses em atraso. É estranho só agora ele dizer que tem compromisso com o servidor público, e antes não tinha”? – desabafou o ex-prefeito, deixando a pergunta no ar.

Fabio Kamoto

Especialista em Marketing Político e Digital, Publicitário, Radialista, atua desde 2006 no jornalismo político. Passou pelas pelas Rádios Progresso e Jornal AM, Sousense FM, Líder FM e Mais FM.

Leia também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo