Executivo

BOMBA: Esposa do pré-candidato da situação de Bernardino Batista, Aldo Andrade recebeu parcela ilegalmente do auxílio emergencial; VEJA

De acordo com os dados divulgados pelo governo Federal, a esposa do vereador e pré-candidato a prefeito de Bernardino Batista, Aldo Andrade, recebeu o auxílio emergencial voltado para trabalhadores autônomos e pessoas desempregadas de baixa renda durante a pandemia da Covid-19.

Flávia Taísa Pereira, esposa do pré-candidato da situação de Bernardino Batista, filha de Berg Pereira e Damiana Joaquina de Andrade recebeu ilegalmente o benefício do auxílio emergencial do Governo Federal durante à pandemia da COVID-19.

De acordo com as normas para receber o auxílio, o beneficiário tem que se enquadrar em alguns requisitos, entre eles, possuir uma renda familiar mensal por pessoa de até meio salário mínimo R$ 522,50 ou renda familiar mensal total de até três salários mínimos R$ 3.135,00.

O auxílio emergencial foi criado para atender a população de baixa renda do país inteiro em virtude da pandemia do Covid-19. Flávia Taísa Pereira possui um bom padrão de vida, não tendo qualquer razão em solicitar o benefício. Enquanto isso, diversas pessoas carentes tiveram seus benefícios negados.

Segundo dados do Tribunal de Conatas da Paraíba, o presidente da Câmara Municipal de Bernardino Batista e pré-candidato da situação Aldo Andrade (Cidadania), recebe um salário de R$ 7.600,00 mil por mês, ou seja, R$ 6.000,00 como presidente do Poder Legislativo e R$ 1.600,00 como motorista da Prefeitura Municipal, o que corresponde a uma quantia acima do limite imposto pelo Governo Federal para o recebimento do benefício.

 

Z - BOMBA: Esposa do pré-candidato da situação de Bernardino Batista, Aldo Andrade recebeu parcela ilegalmente do auxílio emergencial; VEJA

9k= - BOMBA: Esposa do pré-candidato da situação de Bernardino Batista, Aldo Andrade recebeu parcela ilegalmente do auxílio emergencial; VEJA

9k= - BOMBA: Esposa do pré-candidato da situação de Bernardino Batista, Aldo Andrade recebeu parcela ilegalmente do auxílio emergencial; VEJA