Executivo

NÃO TEM FIM! Prefeitura de Lastro deve uma conta que não tem fim (pelo menos é o que parece); VEJA

Desde o século passado a prefeitura de Lastro paga por meio de bloqueio judicial 17% do FPM líquido do município a título de precatórios junto ao Tribunal Regional do Trabalho da Paraíba. A dívida é oriunda de ações judiciais que foram vencidas por servidores, muitos deles hoje já aposentados.

A incontável soma já paga parece não ter fim, pois mesmo tirando da população do pobre município um valor considerável do dinheiro repassado pela união, dinheiro esse que deveria ser direcionado às ações de melhoria na qualidade de vida do povo daquela cidade, não existe perspectiva de que a situação se resolva tão cedo, sendo que a administração municipal apenas vê passar a situação e nada faz de efetivo para trazer a solução para o problema.

Procurado pelo nosso portal o Prefeito de Lastro Dr. Athaide disse que consultou a vara do trabalho de Sousa e foi informado que a parte devida aos autores das ações foi quitada com o bloqueio do mês de maio passado, mas que ainda restava o cumprimento das obrigações previdenciárias.

Quanto a continuidade dos bloqueios o prefeito disse que o jurídico do município já apresentou pedido junto a Vara do Trabalho de Sousa para informar o valor eventualmente devido já que o município entende que já cumpriu com as obrigações previdenciárias através de parcelamentos também já pagos.

“Não tenho muito mais a fazer, todos os esforços para ver a questão ser resolvida parecem não serem suficiente, o município não deve mais nada, e se deve tem o direito de saber o valor dessa dívida, o povo de lastro não merece passar por tantas privações sem saber nem ao menos se um dia deixará de ter descontado valores altíssimos mensalmente, valores esses que ultrapassam os 50, 60 mil reais ou até mais, dependendo do valor da cota do FPM. Num momento como este que passamos devido a pandemia do COVID-19 onde até mesmo as contribuições previdenciárias correntes foram suspensas por lei até dezembro deste ano é inacreditável que uma pena tão dura seja imposta aos cidadão do Lastro.” Palavras do Prefeito de Lastro.

O portal também procurou o jurídico do município e foi informado que fora protocolado pedido de suspensão dos bloqueios pelo menos até que sejam sanadas as dúvidas a respeito da quitação ou não dos débitos previdenciários, estando o mesmo a cargo do juízo da 12ª Vara da Justiça do Trabalho de Sousa.

Perguntar não ofende, esse prejuízo do município vai ficar só na fase da conversa ou uma solução vai aparecer? Pelo jeito vai entrar pro outro século e não acaba!

Fabio Kamoto

Especialista em Marketing Político e Digital, Publicitário, Radialista, atua desde 2006 no jornalismo político. Passou pelas pelas Rádios Progresso e Jornal AM, Sousense FM, Líder FM e Mais FM.

Leia também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo