Executivo

Operação Pés de Barro: ‘Fui surpreendido’, diz prefeito Bosco Fernandes; CONFIRA NOTA

O prefeito da cidade de Uiraúna, Bosco Fernandes, declarou em sua página no Instagram, neste sábado, (21), que “foi surpreendido” com a decisão judicial que decretou sua prisão preventiva ” Apesar de termos sido surpreendidos quanto a Operação Pés de Barro da Polícia Federal, estamos prontos para contribuir e colaborar no que for possível com o trabalho da PF.”

CONFIRA NOTA DO PREFEITO DR. BOSCO FERNANDES

Aos amigos, correligionários e a população de Uiraúna em geral, venho através dessa nota dizer que apesar de termos sido surpreendidos quanto a Operação Pés de Barro da Polícia Federal, estamos prontos para contribuir e colaborar no que for possível com o trabalho da PF.

Estamos confiantes quanto ao restabelecimento da verdade e mais uma vez, reafirmo o compromisso que fiz com Uiraúna e venho mantendo durante toda a minha pública: cuidar bem dessa cidade e do seu povo. Neste momento, peço a todos tranquilidade para que aguardemos o desenrolar das investigações e que tudo possa ser devidamente apurado e esclarecido o mais breve possível.

Os que confiam no SENHOR serão como o monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre. 
Salmos 125:1,2

ENTENDA O CASO

As investigações apuram pagamentos de vantagens ilícitas (propina) decorrentes do superfaturamento das obras de construção da Adutora Capivara, a qual se trata de um sistema adutor que deve se estender do município de São José do Rio do Peixe/PB ao município de Uiraúna/PB, no Sertão da Paraíba.

As obras contratadas, inicialmente, pelo montante de R$ 24.807.032,95 já teriam permitido, de acordo com as investigações, a distribuição de propinas no valor R$ 1.266.050,67.

O inquérito policial federal teve por base uma proposta de colaboração premiada, apresentada pela Polícia Federal e acolhida pelo Exmo. Ministro Relator no STF.

Foi ainda determinado pelo Poder Judiciário a indisponibilidade de bens imóveis em nome dos investigados.
Tal medida tem por objetivo ressarcir os cofres públicos dos desvios apurados.

CRIMES INVESTIGADOS

Os investigados deverão responder pelos crimes de peculato (art. 312 do Código Penal), lavagem de dinheiro (art. 1º da Lei 9.613/98), fraude licitatória (art. 90 da Lei 8.666/93) e formação de organização criminosa (art. 2º da Lei 12.850/2013).

NOME DA OPERAÇÃO

O nome da operação é uma alusão a um termo bíblico que serve para identificar, na vida pública, os falsos valores políticos, ou seja, os líderes carentes de méritos intrínsecos.

Nabucodonosor, antigo rei da Babilônia, teve um sonho interpretado pelo profeta Daniel no qual uma grande estátua de ouro, cobre e prata desmoronara por ter os pés de barro.

O termo pés de barro, então, passou a designar as riquezas cuja base não se sustenta do ponto de vista moral.

Fabio Kamoto

Especialista em Marketing Político e Digital, Publicitário, Radialista, atua desde 2006 no jornalismo político. Passou pelas pelas Rádios Progresso e Jornal AM, Sousense FM, Líder FM e Mais FM.

Leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo